Opinião.15 Out 2015

The Grid

Se estiver envolvido no meio do desenvolvimento web, de certeza que já se deparou com um anuncio no Twitter ou no Facebook a fazer referência ao projeto The Grid. Um novo serviço que promete "sites inteligentes que se constroem sozinhos". The Grid não é outra plataforma de sites "do-it-yourself", de acordo com o site do projeto, a diferença está no facto de esta plataforma conter uma ferramenta de inteligência artificial que consegue criar soluções personalizadas em segundos.
As perguntas que se colocam imediatamente são: "Esta ferramenta consegue programar melhor que um programador?", "Consegue construir um layout de um site melhor que um designer?" e finalmente, "Esta ferramenta é um bom web designer?"

Esta ferramenta consegue programar melhor que um programador?
Para podermos responder à primeira pergunta temos que avaliar o quão limpo, legível e económico em termos de recursos é o código dos sites construídos por esta ferramenta. Para conseguirmos avaliar isso basta analisar o próprio site do projeto que foi construído utilizando a ferramenta que anunciam. Pois bem, a resposta à pergunta é simples, não. O código do site não passa na validação da W3C(World Wide Web Consorcium). Uma vez que se trata de um sistema automatizado seria muito difícil que conseguisse estruturar o código de uma forma semântica para além do facto de que esta ferramenta utiliza Javascript para desenhar o layout da página o que torna o site bastante lento e ineficiente. A conclusão a que se chega relativamente a esta questão é que, é difícil, se não impossível, construir um sistema com maleabilidade total que também respeite a integridade do seu conteúdo.

Consegue construir um layout de um site melhor que um designer?
Como é que The Grid avalia a capacidade de leitura de um parágrafo? Será que ele se inclina para trás na sua cadeira? Cerra os olhos? Talvez vá até a janela para poder ver o projeto sob uma iluminação diferente? Um computador não tem conhecimento ou compreensão do termo comunicação, ele é simplesmente um canal. Da tipografia à experiência de utilizador, cada escolha de design feita por The Grid foi ditada por designers humanos que construíram um conjunto de regras e estilos que esperam que se apliquem a todos os dados fornecidos pelos utilizadores.
Analisemos umas das características premium deste sistema: a capacidade de detetar rostos em fotografias e cortar a mesma em conformidade; qualquer fotógrafo poderá dizer que o recorte de uma imagem é uma das principais maneiras de transmitir emoção. Drama, otimismo, força, ambição, todas estas coisas e muitas outras podem ser alcançadas com uma imagem bem recortada. Centrar uma cara numa foto pouco mais faz que ajustar a imagem ao espaço disponível.
Outra característica fundamental é a capacidade do The Grid aplicar filtros e unificar matiz e saturação das imagens. No entanto, mesmo no vídeo promocional do The Grid vemos que as imagens parecem maçantes, como os filtros do Instagram criados para dar um ar vintage às fotos. Funciona? Às vezes?

Esta ferramenta é um bom web designer?
Esta questão é menos sobre quão bem este sistema faz o seu trabalho, e mais sobre o quão bem um web designer sabe fazer o seu. Se regurgitar ideias, decorar conteúdo em vez de projetá-lo, impor um estilo em vez de reforçar a mensagem então este sistema pode muito bem ser pelo menos tão bom como um web designer.
Em termos de código, o que o The Grid produz não está ao nível do que a maioria dos profissionais consideram ser pronto para produção, e a sua dependência de JavaScript para construir layouts é bastante questionável.
Em termos de design, este sistema não projeta layouts, não consegue distinguir o que é conteúdo do que é formatação. Todas as decisões de design são feitas por um pequeno número de designers, que não têm o conhecimento do conteúdo que estão a projetar, e cuja abordagem é influenciada pela sua própria visão do mundo.
Concluindo, se estiver a fazer o trabalho de um web designer corretamente, o The Grid não tem como competir consigo. A inteligência artificial nunca vai substituir um designer humano, porque qualquer projeto de design é em grande parte acerca da inteligência emocional, o que para já está completamente fora do alcance de qualquer software.

Um bom design estende-se a todas as facetas de um site, e não tem nada a ver com computadores que falam entre eles, mas sim com seres humanos que comunicam.

Site do projeto:
thegrid.io

Nuno Araújo