Opinião.29 Ago 2013

Smartwatches

Tudo indica que depois dos smartphones vão aparecer os smartwatches.

Todos nos lembramos dos relógios de pulso eletrónicos com calculadora, calendário e jogos popularizados por exemplo pela Seiko e pela Casio. Mas agora, com os componentes cada vez mais pequenos e mais baratos, os relógios de pulso vão evoluir e transformar-se em smartwatches.
Só por curiosidade... Consegue adivinhar o nome do produto que irá ser lançado em breve pela Apple? Exato, acertou! iWatch!!!

Mas a Apple não está sozinha nesta corrida. A Samsung, pois claro, também se prepara para lançar o seu smartwatch, sendo muito provável que o anúncio oficial do produto seja feito já no início de Setembro. A guerra entre as duas empresas parece estar para durar, sendo que quem mais beneficia é o consumidor.

Mas o que é exatamente um smartwatch? Posto de uma forma simplista é um smartphone de pulso. Tem um sistema operativo, é capaz de correr aplicações, e até se prevê que permita fazer chamadas telefónicas. Uma das grandes limitações é o ecrã. Tanto pela dimensão reduzida que terá forçosamente de ter como pelo facto que terá de ser ergonómico. Há relativamente pouco tempo foi anunciado o Willow Glass, um vidro capaz de se dobrar como uma folha de papel ao vento e que poderá ser moldado para se ajustar ao corpo humano.

O design será um dos principais desafios para os fabricantes de smartwatches. Para muitas pessoas o relógio é um símbolo de status. Poderá um smartwatch competir em design e elegância com um relógio tradicional? Não se prevê que seja muito fácil. Outro desafio será o de contrariar o slogan de muitos fabricantes de que os seus relógios são intemporais. Ora um smartwatch será exatamente o oposto; será um equipamento que ficará obsoleto em um ou dois anos à medida que a tecnologia evolui e que novos modelos vão surgindo.

Uma das áreas em que os smartwatches serão claramente bem-vindos é o fitness. Os smartwatches serão os relógios ideais para usar nos ginásios ou em atividades desportivas ao ar livre como a corrida ou o ciclismo. E também na saúde os smartwatches poderão ser muito úteis se forem capazes de monitorizar o ritmo cardíaco e outros dados biométricos.

Para além do design há outras questões de usabilidade que se colocam relativamente ao smartwatch. Como vamos falar ao telefone num smartwatch? Vamos ter de andar com o relógio a viajar entre a boca e a orelha? Ou será que todas as chamadas vão passar a ser em alta voz? E os auscultadores? O pulso está muito longe dos ouvidos e está sempre em movimento. Como vamos ouvir música? Vamos ter de usar auscultadores Bluetooth?

Estou certo que todas estas questões já foram pensadas pela Apple e pela Samsung e que as soluções nos vão surpreender. De acordo com os últimos rumores só teremos de esperar mais alguns meses para nos deslumbrarmos com o próximo gadget que certamente todos nós iremos querer ter.

Fernando Pina