Opinião.29 Abr 2015

O que diz o seu site?

A análise da presença online de uma empresa pode servir para melhorar alguns aspetos do funcionamento do site, mas na realidade revela mais sobre a própria organização da empresa do que se pode julgar.

Diz-se que não devemos julgar as pessoas pela aparência, mas na verdade a nossa postura e o que vestimos dizem muito de nós. Isto é verdade para os sites como é para muitas outras coisas.

Mesmo recorrendo a uma equipa especializada em meios digitais, se a cultura da empresa for de certo modo incompatível com estes suportes o resultado final será um fracasso, expondo essas limitações. Uma das componentes que diz mais sobre a organização da empresa é a própria organização da informação do site. Muitas empresas organizam os seus sites em torno dos departamentos ou áreas da própria empresa em vez de se focarem no que o utilizador procura.

Mas não é só o site que espelha esta postura, a forma como são geridas as redes sociais também diz algo sobre as organizações. Um dos principais erros é a falta de ligação com os utilizadores. As redes sociais são atualizadas diariamente com novos artigos, imagens e press releases, mas fazem pouco no sentido de estabelecer um diálogo. Isto deixa transparecer um departamento de marketing preso ao passado e à divulgação avulsa de conteúdos. Os utilizadores toleram cada vez menos este tipo de comunicação e procuram organizações que falem com eles e não para eles.

Possuir um site que funcione bem em dispositivos móveis e que se adapte ao ecrã de smartphones e tablets é cada vez mais critico, especialmente depois da Google anunciar que estes são favorecidos nas pesquisas, não apenas destes dispositivos mas também nas efetuadas em laptops e desktops. Além de prejudicar os utilizadores dos dispositivos móveis este comportamento expõe outro problema. Se o site não é responsive significa que ninguém se preocupou com a sua estrutura durante anos e que a empresa está presa nos habituais ciclos de renovação do atual site, sem assumir o compromisso de dar o salto para um novo site responsive.

Além destes aspetos alguns sites sofrem também da falta hierarquia dos seus conteúdos, com demasiados elementos de navegação, páginas sem uma estrutura lógica e Call To Action deficientes ou mesmo a completa inexistência destes.

Todos estes aspetos são importantes do ponto de vista da usabilidade, mas são também representativos de um problema maior, a falta de prioridades. Quando existe uma deficiente hierarquia visual e pontos de call to action ineficientes, significa que não há uma visão concreta da função do site.

Isto em si ainda representa um problema mais profundo, ou seja, os cargos de direção não dão importância aos suportes digitais. É responsabilidade das chefias definir direções e estabelecer prioridades, se o site não expõe estas prioridades geralmente é sinal de que estas mesmas chefias não se sentem ligadas ao site e que não entendem o seu papel ou acham que não é importante. Qualquer que seja a situação é caso para preocupação...

Jorge Mendes