Opinião.10 Out 2011

O criador da maçã

Morreu Steve Jobs. Um visionário, um génio, alguém que marcou o nosso mundo e que nos deu muitos dos gadgets que desejamos ter.

Mas o que é que tornou as criações de Steve Jobs verdadeiros objectos de culto? Em que é que o Macintosh, o iPod, o iPad e o iPhone se distinguem dos restantes produtos da concorrência? Para começar, distinguem-se no design. Steve Jobs não se limitou a criar blocos de tecnologia; criou objectos elegantes e ergonómicos, capazes de agradar a toda a gente e não apenas aos fanáticos da tecnologia. E é aqui que Steve Jobs também se soube distinguir da concorrência. Steve Jobs idealizou e criou objectos para toda a gente; conseguiu moldar a tecnologia à imagem dos seus utilizadores, em vez de forçar os utilizadores a adaptarem-se à tecnologia.

A Apple de Steve Jobs criou ainda uma tendência no mundo do design... o branco. Durante anos habituámo-nos ao preto. Os televisores, os walkman, os telemóveis, os mp3... todos os produtos que "cheirassem" a tecnologia eram pretos. Mas a Apple lançou os seus produtos e lançou-os em branco. E nos últimos anos, o branco dos vulgares electrodomésticos ganhou lugar de destaque e ascendeu a cor de excelência no design.

Com a morte de Steve Jobs morreu um dos últimos grandes ícones da revolução tecnológica das últimas gerações. A Apple continuará a lançar os seus produtos no mercado; mas será a Apple capaz de manter a imagem dos seus produtos? Serão os próximos iPads e iPhones tão desejados como os actuais, agora que o seu mentor desapareceu? Será a Apple capaz de voltar a revolucionar o mercado com um novo i?

E será que num futuro próximo vai aparecer alguém com a visão de Steve Jobs para nos continuar a fazer sonhar com novos produtos?

Nestes dias vi num blog uma frase curiosa. Ao longo da história houve três maçãs que mudaram as nossas vidas. A maçã de Adão e Eva, a maçã de Isaac Newton e a maçã de Steve Jobs. Acho que é uma boa forma de o homenagear...

Fernando Pina