Opinião.13 Abr 2011

NET-ARTE

Sendo arte uma palavra de morfologia simples e de leitura fácil consegue contudo ser uma palavra/conceito extremamente vasto, difícil de definir e ambíguo, tanto para os artistas, como para os não-artistas, idem para os que pensam que são artistas e não o são como também para os que são verdadeiros artistas e não o sabem.

Embora a net-arte seja um conceito tão ou mais abstracto do que a própria arte em si penso que é unânime afirmar que ela existe e respira de boa saúde, vários metros cúbicos de bytes ao dia. Tendo possivelmente começado com a ascii art, entende-se por net-arte a execução de uma obra artística em formato digital distribuída via Internet e que na maior parte dos casos requer uma acentuada envolvência e interacção do utilizador. Hoje em dia existem imensas aplicações na Web que nos empolgam mais do que várias instalações artísticas.

É também importante diferenciar net-arte e divulgação de arte (através do poder comunicacional da Web) para que seja possível uma melhor definição das mesmas num futuro próximo.
Um bom exemplo de divulgação e exploração de arte é o googleartproject no qual é possível visitar vários museus e centros de arte internacionais, todos eles distanciados entre si por poucos cliques, mas que não acrescenta nada de artístico ao tipo de arte erudita que no site podemos explorar.
Um verdadeiro exemplo de net-arte pode ser consultado e apreciado por exemplo neste site: www.neave.com.
Ideal mesmo é conjugar os dois conceitos (net-arte e divulgação de arte) daí que hoje em dia um fenómeno artístico como por exemplo a publicação de um livro, filme ou o lançamento de um álbum necessite de uma complexa neblina de marketing, arte e criatividade em si envolta que não era necessária ainda há poucos anos atrás.

É fácil apercebermo-nos que nunca se incentivou tanto a criatividade e originalidade como hoje. Sem dúvida que o mundo da Web foi um dos grandes responsáveis. Pode-se então dizer que além da Web ter sido ela própria uma nova forma de arte, veio também estimular todos os outros tipos de arte já existentes reinventando-os em alguns casos e facilitando o conhecimento da existência dos mesmos tendo por base a facilidade comunicacional que existe no universo online.

Tony Oliveira