Malware Apple

Opinião.27 Abr 2012

Malware em Dispositivos Apple: O Que Saber

Existe uma mão cheia de razões que levam os amantes das novas tecnologias a optar por produtos informáticos Apple em detrimento de produtos de outros fabricantes: uma navegação intuitiva, design elaborado, qualidade gráfica de nível superior ou boa compatibilidade entre dispositivos pode levar o cliente a esticar o braço na direção dos frutos dessa grande macieira digital plantada por Steve Jobs.

Contudo existe uma suposta vantagem do sistema OS X que merece ser melhor analisada à luz da atualidade: a sua destacada resiliência face a vírus e outros tipos de malware.

De facto os computadores Windows são mais vulneráveis a software maligno sobretudo porque existem em maior número, e consequentemente formam um alvo mais apetecível para hackers que assim podem tentar chegar a um maior número de potenciais vítimas já que o risco de propagação é bastante mais elevado. Além disso os Macs são também mais resistentes a malware uma vez que fazem uma restrição mais apertada às ações do utilizador que podem representar perigo para a segurança do sistema. Já em Windows os utilizadores podem por exemplo correr código executável fora do espaço reservado para memória protegida o que tem a vantagem de um utilizador interessado poder aprofundar o domínio sobre a sua máquina e a desvantagem de pôr a segurança do sistema em risco (por ex. um automobilista que adquira uma viatura de alta gama pode atingir maiores velocidades, mas também está sujeito a embates mais violentos).

Apesar destas vantagens dos computadores Apple em relação ao seu principal concorrente, é bastante aconselhado tomar as devidas precauções em relação a possíveis ataques de vírus, já que os utilizadores de Mac OS x embora em menor número vão-se tornando cada vez mais alvo de ataque à medida que mais e mais produtos da respetiva marca são vendidos.

A principal ameaça viral que os utilizadores de Mac podem enfrentar são os trojans. Trojan é a designação que se aplica ao malware que é corrido no computador do utilizador sem que este se aperceba, pois geralmente a instalação do mesmo é despoletada por um ficheiro anexo a um email ou um link verosímil tal como imagens, DMGs ou PDFs e que não são mais do que ficheiros contendo código infetado (daí a alcunha de Cavalo de Troia).

A primeira medida de segurança tem que partir do próprio utilizador: não abrir links de sites que inspirem pouca segurança e sobretudo não descarregar anexos de email cujo remetente é desconhecido. No caso de conhecer o remetente deve-se verificar se a mensagem parece fidedigna. Caso persista a dúvida o melhor mesmo é fazer um scan ao ficheiro por intermédio de um antivírus antes de o abrir.

À medida que o número de Macs aumenta prevê-se que hajam mais vírus direcionados a Macs, o que poderá representar uma séria ameaça já que a qualidade e quantidade de antivírus open-source/gratuitos disponíveis para Mac são reduzidas comparando com o Windows. No entanto é esperado que a Apple esteja à altura dessas ameaças disponibilizando regularmente novas atualizaçoes de anti-malware.

Imagem por: Andy Langager

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Tony Oliveira