Impressão 3D

Opinião.11 Jul 2013

Impressão 3D

A empresa MakerBot foi a primeira a introduzir no mercado uma impressora 3D acessível, pelo menos num contexto industrial, em que as alternativas terão um custo equivalente a um carro de gama média. Além disso a MakerBot criou uma plataforma para a comunidade interessada no assunto onde disponibiliza mais de 80.000 ficheiros para impressão dos mais diversos objetos. A empresa ajudou a transformar a impressão 3D em algo a que as pessoas e organismos podem recorrer para fazer progredir a ciência, a saúde ou a própria tecnologia.

Armas, brinquedos ou mesmo próteses, não há limites para o que é possível imprimir hoje em dia, embora os materiais não tenham evoluído de forma tão rápida uma vez que na maioria das situações a impressão está ainda limitada ao plástico, metal ou cerâmica. Mas mesmo isso está prestes a mudar, graças à investigação levada a cabo pela pequena empresa de Oakland, Emerging Objects.

Utilizando uma impressora 3D convencional, que utiliza como matéria prima compostos em pó, encontrou forma de imprimir tijolos, componentes ou mobiliário a partir de materiais recicláveis como a argila, o sal ou a pasta de madeira. A versatilidade da impressão 3D permite resolver assim alguns problemas inerentes à produção industrial, nomeadamente o consumo de energia, os elevados custos de produção de moldes e a quantidade de resíduos/desperdícios gerados. Por outro lado também abre possibilidades que podem geral alguma preocupação.

Recentemente foi desenvolvida uma pistola para impressão 3D que embora possa parecer de brincar, por ser de plástico, na realidade é uma arma que dispara balas convencionais! A pistola designada por "The Liberator" foi desenvolvida por Cody Wilson, um estudante universitário que pretende disponibilizar os ficheiros de CAD da mesma, permitindo que qualquer um imprima a pistola desde que disponha da impressora 3D para o efeito. Apesar de ter incluído propositadamente um componente de metal, que poderá ser facilmente suprimido, para que esta seja detetada pelos detetores de metais dos aeroportos, não apresenta, à semelhança do que acontece com outras armas, número de registo.

Em contrapartida a Universidade de Michigan, recorrendo à captação de imagem 3D de alta resolução elaborou um modelo da traqueia e dos brônquios de uma menina que nasceu com tracheobronchomalacia, uma doença caracterizada pela flacidez das cartilagens que suportam a traqueia e os brônquios, conseguindo assim criar uma "tala" com os minúsculos canais que constituem os brônquios para suportar os tecidos flácidos na fase de crescimento da criança. Depois de desenvolvido o modelo, foi impresso num biopolimero designado por polycaprolactone, que passados 2 a 3 anos será completamente absorvido pelo organismo da criança. A intervenção foi realizada o ano passado e 21 dias após a mesma a pequena Kaiba Gionfriddo deixou de necessitar o suporte do ventilador para respirar!

Também no domínio da medicina, investigadores da Universidade de Heriot-Way na Escócia produziram células estaminais embrionárias utilizando a impressão 3D. As células estaminais são como "folhas em branco" permitindo criar a partir delas qualquer tipo de tecido humano.

Imaginem o leque de possibilidades, desde enxertos de pele a transplantes de pulmões, rins, etc... sem a consequente procura de dador compatível! Esta tecnologia vai permitir também efetuar implantes em orgãos danificados para regenerar a zona afetada.

Mas se as aplicações que referi são, embora surpreendentes, expectáveis, a NASA foi mais além e decidiu apostar nesta tecnologia com a criação de um departamento de investigação que permita encontrar uma solução para imprimir alimentos para os astronautas de futuras viagens tripuladas a Marte. A impressora 3D da NASA pretende criar comida, baseada numa "receita digital", nutritiva e saborosa, com uma estrutura e textura semelhante aos alimentos reais a partir da combinação de vários pós. Supostamente também deverá conseguir replicar o odor do referido alimento!

Surpreendidos? Esta é apenas uma pequena amostragem das capacidades da impressão 3D, façam uma pesquisa no Google e verão que a lista de possibilidades é quase inesgotável...

Fonte da Imagem:
www.gizmodo.com

Jorge Mendes