Opinião. 4 Abr 2011

Design mais competitivo em plataformas de E-Commerce

O crescente acesso a computadores e a maior disponibilidade e segurança de redes de alta velocidade ajudaram a criar e a melhorar os ambientes de compras online.
Actualmente verificamos um "novo" tipo de utilizador, o utilizador-consumidor. Este aparecimento deve-se, em parte, ao aumento de utilizadores conscientes das potencialidades de procura e oferta que o mundo Web tem para oferecer.

De acordo com o relatório anual de 2010 do Bareme Internet, o estudo de base do Netpanel que a Marktest lançou, mostra que a utilização de Internet em Portugal continental aumentou nos últimos 14 anos. Em 2010, 2.204.000 lares já possuiam acesso à Internet a partir de computadore(s), um número que passou de 2,4% em 1997 para 63%.
Em 2009, um em cada cinco portugueses já fazia compras de produtos ou serviços através da Internet, número 10 vezes superior ao observado em 2000.
Estes resultados indicam os recentes hábitos dos portugueses e reforçam o crescimento pessoal e empresarial nesta área.

As evidentes vantagens do comércio electrónico desenvolveram novas oportunidades de negócio. Imagine a sua loja aberta 24 horas por dia ou a possibilidade de fazer compras na comodidade da sua casa. Estes são alguns dos muitos benefícios garantidos por estes sistemas online.

Apesar de ser uma área ainda em expansão, torna-se cada vez mais difícil converter uma visita online numa venda. O número de lojas online cresce todos os dias e, consequentemente, a competitividade entre elas também. Os consumidores têm agora mais hipótese de escolha e devido a algum cepticismo e variedade de produtos e serviços, as empresas devem privilegiar um design claro e profissional nas suas lojas de comércio online.

Por exemplo, quando são apresentados produtos para venda é conveniente que estes apresentem imagens cuidadas e informação detalhada. As informações e imagens relacionadas com o que se quer vender são cruciais, pois o utilizador normalmente determina se o produto ou serviço corresponde às suas necessidades e preferências através desses elementos.
As zonas de maior relevância e diferenciação neste género de websites são: a área de cliente (registo, login, zona privada de informação e encomendas), o carrinho de compras e a zona de checkout, isto é, a zona onde se finaliza a encomenda e respectivo pagamento.

Todos os produtos devem conter uma zona de adicionar ao carrinho. A esta zona é chamado o "pedido de acção" que tem como função ajudar na tomada de decisão por parte de quem navega pela loja online. O processo parece simples mas em qualquer altura o utilizador deverá conseguir adicionar produtos à sua lista de compras, rever todos os produtos que seleccionou, eliminar ou alterar a sua encomenda e voltar de seguida para a página de produtos ou seguir para a finalização da mesma, se assim o desejar.

Para que todo este processo seja intuitivo e acessível é importante que o utilizador tenha sempre o controle das suas acções, podendo finalizar ou cancelar a sua encomenda a qualquer momento. Outro aspecto que deve estar sempre claro e evidente é a fase em que o utilizador se encontra no processo de compra. Por esta razão, a zona de checkout é normalmente organizada por etapas. Os indicadores de processo são óptimos em termos de usabilidade, pois conferem ao utilizador segurança e controle que este precisa para assegurar confiança à sua compra.

Desde o primeiro contacto o utilizador deve conseguir navegar com facilidade e segurança. Mantenha o conteúdo priorizado e organizado por áreas. Facilite o acesso à informação, seja ela do produto, das zonas e tempos de entrega ou dos métodos de pagamento. Deixe sempre bem visíveis as condições de compra e os contactos disponíveis para o caso de o utilizador ter alguma questão a colocar.
Desenvolva um layout simples, com funções claras e sem distracções e verá que as suas visitas se convertem em compras.

Catarina Acúrcio