Opinião.13 Fev 2014

Crowdfunding

Crowdfunding é uma forma de angariação de fundos para financiamento de projetos. Este modelo de conseguir financiamento é relativamente recente e tem ganho protagonismo à medida que a quantidade e dimensão dos projetos de sucesso se multiplicam.

A ideia baseia-se num princípio simples, reunir num mesmo espaço virtual empreendedores e apoiantes que partilhem os mesmos interesses, criando dessa forma comunidades em redor de determinados temas ou causas.

Têm surgido várias plataformas para o efeito, em Portugal a PPL http://ppl.com.pt/pt/sucesso é talvez a mais difundida por albergar projetos de sucesso como a Fruta Feia.
A PPL promove iniciativas de Crowdfunding para angariação de fundos para diversas áreas, desde eventos de carater social, atividades artísticas, culturais, desportivas ou mesmo a criação de produtos e serviços.

O objetivo é cada membro contribuir com um pequeno apoio para ajudar a causa/projeto com que se identifica. Estas contribuições, por mais pequenas que sejam, todas juntas ajudam a concretizar as ideias dos organismos ou indivíduos que colocaram o desafio na plataforma.

Se a meta proposta for atingida no prazo estabelecido, o promotor recebe os fundos que se propôs reunir e a plataforma cobra uma comissão sobre esse valor. Se o montante mínimo não for angariado, o promotor não recebe a verba reunida até ao momento e os fundos são devolvidos aos apoiantes. Nestas situações a plataforma não cobra a comissão.

Para levar os apoiantes das causas a contribuir a plataforma incentiva os promotores das iniciativas a atribuir recompensas aos apoiantes. Estes apoios, dependendo do tipo de projeto e do que o promotor definiu, poderão ser um simples "obrigado", merchandising criado para o efeito ou mesmo produtos oferecidos por patrocinadores da causa, tudo depende da imaginação de cada um.

As potencialidades do Crowdfunding têm sido largamente discutidas em blogs e meios de comunicação, porque além das vantagens evidentes, também as marcas têm aproveitado estas capacidades para proveito próprio. A Nintendo utilizou este mecanismo para o lançamento do seu jogo Game & Wario para a Wii U. O fabricante de componentes de áudio high-end Light Harmonic, aproveitou os benefícios do Crowdfunding para lançar um produto a um custo abaixo do seu real valor, reunindo interessados em financiar o desenvolvimento do mesmo. Estes apoiantes estariam assim a fazer a pré-reserva para adquirir o produto ao mesmo tempo que contribuiam para que o preço final baixasse.

Será esta prática eticamente correta ou até legal? Uma das guidelines da Kickstarter, plataforma utilizada pela Light Harmonic, indica que as empresas não podem colocar os seus projetos como pré-reserva para um produto final. Estaria a Light Harmonic interessada em alcançar um publico-alvo distinto do seu comprador habitual com o produto Geek Out. A verdade é que a marca utilizou as plataformas Kickstarter e Indiegogo como mecanismo de prospeção explorando o enorme potencial de marketing que estas representam.

É evidente que o propósito original destas plataformas é ajudar a pôr em prática ideias e projetos que de outra forma poderiam não ver a luz do dia, mas as marcas, como entidades despertas para estas oportunidades, acabam por tirar partido das suas potencialidades, caso as plataformas não se defendam contra isso, colocando assim em risco o propósito com que foram criadas.

Jorge Mendes