Opinião. 4 Jan 2012

Criatividade com qualidade

Quando os telemóveis apenas serviam para telefonar o grande objectivo das marcas era colocar no mercado o aparelho mais pequeno, ou então o mais leve. Em 1999 comprei um Panasonic que era o mais leve do mercado e que causava alguma inveja entre os meus colegas e amigos. Comparado com os de hoje era um miserável telemóvel com um ecrã âmbar de três ou quatro linhas de texto e que tinha aqueles toques estridentes e irritantes. Não tinha bluetooth (blue quê?), nem internet, nem rádio... só servia para telefonar.

Passado algum tempo as atenções foram desviadas para a autonomia das baterias. Mais pequenos já não podiam ser e era necessário arranjar algo que justificasse o lançamento de novos modelos. Dois dias, quatro dias, uma semana... e os telemóveis continuavam a servir apenas para telefonar.

Actualmente todas estas preocupações foram lançadas às urtigas. Os smartphones da moda são grandes, pesados e com baixa autonomia. Mas permitem consultar o email, o facebook, ouvir rádio e música e tirar fotografias com grande qualidade. Há inclusivamente fotógrafos profissionais que afirmam que para tirar fotografias durante o dia e ao ar livre usam um smartphone. As verdadeiras máquinas fotográficas ficam para os ambientes mais exigentes.

O que mudou? Fomos nós, consumidores, que mudámos? Foram os senhores do marketing que nos deram a volta? Não. Foi algo muito mais simples. Foi uma aposta na qualidade e na criatividade. Foi a vontade de quebrar as regras, de ir contra a corrente, de inovar, de juntar funcionalidades até então claramente separadas. Mas sempre apresentando produtos de qualidade.

Serve este exemplo para apresentar dois conceitos fundamentais para resistir aos maus tempos que se anunciam. Criatividade e qualidade. A competitividade das empresas não se resume a trabalhar mais horas. Trabalhar muito nem sempre é sinónimo de trabalhar bem. O mais importante é apresentar novas ideias, novos produtos, novas soluções, que facilitem e agilizem o dia a dia e sempre, sempre com qualidade.

Fernando Pina