Opinião.13 Ago 2014

A publicidade vive de números

As redes sociais têm várias coisas em comum, mas a que mais se destaca são os utilizadores. É para estes que elas existem e é a eles que devem agradar, sempre com o objetivo de os manter no seio da sua comunidade. Há as que gozam de grande popularidade, outras mais pequenas que, mesmo assim, lutam diariamente para crescerem, há ainda as que mais não desejam do que colocar em contacto pessoas com questões semelhantes, como doenças, objetivos de vida ou apenas tornar coisas que desejamos possíveis. Em suma, permitem criar laços.

Ora, estes laços, nem sempre são fáceis de quebrar. São eles, em grande parte, os culpados da manutenção das pessoas fidelizadas numa determinada rede. Quanto maior a ligação, mais difícil se torna desligarmo-nos desse mundo virtual.

Mas há mais vida para além das redes sociais, e muitas vezes, apesar dos laços que lá são criados, são estas mesmas redes que tomam a iniciativa de afastar aqueles que mais deviam proteger. O Facebook é um dos maiores exemplos no que diz respeito a deixar utilizadores insatisfeitos. Isto porque efetuam mudanças constantes que, em grande parte, nem sequer são devidamente comunicadas aos utilizadores. Assim, estes ficam frustrados, um pouco mais de cada vez que são feitas alterações às políticas de privacidades, às mensagens que são apresentadas, à publicidade no mural de cada um, aos vídeos que passaram a ser carregados automaticamente, etc, etc, etc.

O problema nem sempre está nas alterações, mas mais no facto de estas não serem comunicadas ou serem mal apresentadas. É aqui que se começa a perder uma mais valia, o tempo despendido por nós, utilizadores, e que potencia as vendas publicitárias que, no caso desta rede em particular, geram uma grande fatia das suas receitas. A publicidade vive de números. Vive do número de utilizadores e do tempo que estes gastam nas nossas páginas e, para isso, precisamos que eles por lá fiquem e lá voltem.

Nota: Nem sempre as alterações são difíceis de reverter. Por exemplo, no caso dos vídeos que o Facebook agora nos apresenta automaticamente, basta irem às Definições - Vídeos e desativarem a definição de carregamento automático de vídeos.

Ricardo Lage