Opinião.23 Fev 2012

A Importância do Domínio

O sistema de domínios que conhecemos atualmente, designado por DNS (Domain Name System), surgiu em 1983. Foi criado para que os utilizadores não tivessem de inserir longas listas de algarismos para aceder ao endereço dos websites.

À medida que a sua utilização se foi massificando os proprietários dos domínios sentiram a necessidade de controlar os direitos sobre estes, reivindicando a criação de uma entidade que se encarregasse dessa gestão. Em 1998 foi criada a ICANN com o propósito de vigiar a atribuição e gestão de todos os domínios presentes na Web.

Atualmente os domínios estão divididos em 2 grandes grupos, gTLD (Generic Top Level Domains) e ccTLD (Country Top Level Domains). O gTLD mais conhecido é sem dúvida o .com, é uma extensão internacional podendo ser utilizada tanto por grupos comerciais como por pessoas singulares. Devido à sua popularidade é cada vez mais difícil encontrar um .com disponível, como consequência surge cada vez mais com designações invulgares. O .com é seguido logo de perto, no ranking dos mais utilizados pelos, .net, .org, .co.uk, .de, .fr e .it.

Há essencialmente duas formas de registar um nome de domínio, através das empresas que fornecem os serviços de alojamento dos websites ou de um Registar. Os Registar podem gerir os gTLD mas no que respeita aos ccTLD cada país decide quais os Registar autorizados a vender os seus ccTLD's.
Por sua vez os gTLD estão agrupados em 3 categorias, Unrestricted, Sponsored e Geographic. Os Unrestricted são livres e podem ser tomados por qualquer organismo ou pessoa. Neste grupo enquadram-se o .com, .info, .net e .org. Os Sponsored estão reservados a organizações, como o utilizado pela industria aeronautica (.aero). Os Geographic são pouco comuns, atualmente só existem o .cat e o .asia, mas é suposto estarem relacionados com grupos geográficos, étnicos ou culturais.

Para ter acesso a um domínio classificado como Restricted é necessário preencher alguns requisitos. Alguns organismos, como museus e hospitais, podem assim solicitar que lhes sejam disponibilizados domínios específicos para a sua área.

A maioria das empresas procuram registar os seus domínios com a extensão .com mas será a abordagem mais correta? À partida será sempre mais difícil conseguir um domínio .com de qualidade que ainda esteja disponível e além disso, dependendo do público-alvo, poderá ser mais benéfico optar por um domínio ccTLD por inspirar mais confiança nos utilizadores e também por resultar melhor nas pesquisas nacionais.

Habitualmente recomenda-se a utilização das extensões ccTLD de cada país sempre que o conteúdo está na língua nativa, recorrendo ao .com apenas para websites com o conteúdo exclusivamente em inglês.

Outra abordagem possível é o Domain Hacking, na realidade não estamos a roubar o domínio a alguém, designa-se assim por utilizar a extensão como parte do nome do domínio. A extensão da Bélgica por exemplo, poderá ser utilizada em websites locais cuja designação termine em "be", como: Tu.be, Ado.be ou Bee.be. Estas extensões são na sua maioria ccTLD's pelo que devemos dar especial atenção às suas regras de utilização.

Decidir o nome de um domínio e a sua extensão pode ser uma tarefa complexa, com impacto no próprio comportamento do website, pelo que idealmente deve ser alvo de aconselhamento especializado.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Jorge Mendes